fbpx

Dinheeeeeeeeeeeiro! Quem não quer? Quem não sente falta?

E seu negócio, tá dando o resultado que você gostaria?

Eu posso apostar que não está, porque.. a GRANDE maioria dos negócios não dá o resultado que os empreendedores gostariam.

Olha só, não é que não dá nenhum resultado. Mas sempre podia dar mais, né?

E sabe o que é pior? Muita gente NEM SABE quanto o seu negócio dá de lucro!

E o que a gente não consegue medir, a gente não consegue melhorar. Essa é uma máxima muito verdadeira sobre gestão e negócios.

Então bora descobrir como medir – e melhorar – sua gestão financeira?

Vou te dar 12 dicas sobre finanças, e eu JU-RO que vou fazer de tudo pra facilitar, combinado?

Bora lá então:

1) Como controlar minhas finanças?

Vamos começar por aqui? Você PRE-CI-SA ter um controle de quanto você fatura e quanto você gasta se quer ter resultado do seu negócio. De novo: o que não é medido não pode ser gerenciado. A dica número 1 é: separe as suas contas pessoa física da pessoa jurídica. A número 2 é: tenha um controle de tudo o que entra e do que sai. Simples assim! Seja em excel, seja um gerenciador financeiro, é fundamental que você anote tudo. É chato? Talvez seja, mas se você anotar sempre, criar uma rotina, pode ser indolor. Hoje existem softwares gratuitos ou muito baratos que facilitam muito sua vida (como o Conta Azul e o ZeroPaper).

2) Como saber se meu negócio vai ser lucrativo?

Essa dica é pra você que ainda não abriu negócio. Pra saber quanto você vai lucrar, comece fazendo uma lista de todos os custos que você vai ter, todos mesmo (lembre dos fixos e também dos variáveis – veja a dica 3 abaixo). Daí você vai saber qual é o mínimo que você precisa vender pra ter lucro. Será que você consegue vender isso? Ou mais, ou menos? Você pode ter uma noção disso fazendo uma pesquisa de mercado. Converse com concorrentes, descubra quanto são as vendas, estime o quanto você vai vender no começo e quanto as vendas vão crescer com o tempo. Pronto! Claro que isso é apenas uma estimativa, mas assim você tem uma ideia de quanto você pode lucrar com o negócio, e se é minimamente viável ou se nem vale a pena avançar.

3) Custos fixos X custos variáveis

Custos fixos são todos aqueles que acontecem independente de você ter vendas (aluguel, mensalidade do software, contador). Custos variáveis são os que só acontecem quando você vende (imposto sobre a venda, taxa de cartão). Ana, me inscrevi em um curso que foi só um mês, não é fixo, não é todo mês, então é variável, né, pq varia, foi só um mês. NÃO! Seu curso não aconteceu porque você fez uma venda, mas porque você decidiu fazer. Então é um custo fixo. OK? Isso é importante pra calcular seu ponto de equilíbrio – o mínimo que você precisa vender pra cobrir seus custos.

4) Quanto devo cobrar?

Seu produto ou serviço deve necessariamente estar em uma faixa de preço, e nunca* (um grande asterisco aqui) poderá ficar abaixo do valor mínimo dessa faixa. Vamos falar mais.

Pra descobrir o valor mínimo, calcule o custo pra produzir seu produto. Lembre-se dos custos diretos (matéria prima), custos variáveis (como falamos antes) e também do que você usou da sua estrutura fixa. Se seu negócio é um serviço, pense no seu custo em termos de horas gastas – qual é o valor da sua hora? Seu preço mínimo deve ser seu custo. Se você vender abaixo do seu custo, você terá prejuízo.

E o valor máximo? A resposta para isso deve vir do mercado. E aqui a resposta virá pelo posicionamento do seu produto. Por exemplo, pelo mesmo produto, celular, podemos ter dois preços muito diferentes, dependendo se for um iPhone ou um Motorola, não é? Uma pizza, uma blusa.. por que as pessoas estão mais dispostas a pagar preços diferentes por produtos aparentemente tão similares? Descubra essa resposta no seu mercado. Quanto mais você conseguir entender o que tem valor pro cliente e mostrar que seu negócio tem isso, mais você poderá cobrar pelo seu produto. Mas somente o mercado (e muita tentativa e erro) dará essa resposta para você.

5) De quanto dinheiro preciso pra começar?

O que a gente recomenda é que, antes de investir muito em qualquer negócio, teste. Abra seu negócio em um modelo lean. Erre rápido, aprenda o que tiver que aprender e invista de forma mais certeira.

O dinheiro que você precisa pra começar é o mínimo pra colocar a estrutura básica de testes pra rodar e pra sobreviver pelos primeiros meses. Em alguns casos esse valor é zero. De quanto dinheiro você precisa pra criar um Instagram? E produzir conteúdo? E mostrar seu trabalho? E se a partir disso alguém quiser contratar você? Pois é, tem muita gente que começa assim.

Claro que nem todos os negócios podem começar dessa forma. Mas estou provocando você a pensar mínimo mesmo.

Combinado? Agora vamos ao cálculo. Liste o mínimo que você precisará de estrutura física, equipamentos, softwares, materiais, etc, pra iniciar o negócio. Talvez seja zero, talvez seja algo. Esse será seu investimento inicial.

Depois pense em quanto você terá de despesas fixas nos primeiros meses, antes de o negócio estar se pagando. De novo: pense mínimo. O que é realmente imprescindível? Esse será o valor do capital de giro necessário.

Quanto você precisa pra se manter sem ganhar antes do negócio começar a pagar você? Se você não tem outra fonte de receita, não esqueça de colocar esse valor na conta. Esse será o seu pro labore.

Somando o investimento inicial, o capital de giro e o valor do seu pro labore, teremos o valor total que você deve reservar pra iniciar o seu negócio 😉

6) Quanto preciso vender pra ter lucro?

Foco aqui: lembra quando falamos das despesas fixas e variáveis? Vamos voltar pra elas agora. Porque é a partir delas que a gente vai descobrir quanto você precisa vender pra ter lucro.

Basicamente você terá lucro quando vender mais do que gasta. É simples, conceitualmente. Então a gente tem que descobrir qual é o valor em que seu lucro é zero. Esse e um conceito em finanças chamado Ponto de Equilíbrio (PE).

O que complica é que não é só pegar o quanto você tem de despesas e dizer “beleza, tenho que vender isso”. Porque tem as despesas variáveis, lembra delas? Imagine que suas despesas fixas no mês são R$ 5 mil, e você vende R$ 5 mil. Maaaas… você tem que pagar 7% de imposto, e 3% de taxa de cartão! Então desses R$ 5 mil que você vendeu, R$ 500 vão nas despesas variáveis… sobrou R$ 4500 pra pagar as despesas fixas. Lembra que você tem R$ 5 mil de despesas fixas? Então nesse mês você teve R$ 500 de prejuízo..

Como calcular, então? Simples! É só incluir na conta as despesas variáveis.

Se você for boa de matemática, você pode usar uma regra de 3 simples: se seu custo variável é 10% da receita, seu custo fixo é 90%, quando o lucro for zero, certo? Então a regra de 3 é: o custo fixo (5 mil) é 90%, então quanto é 100%? Pronto, aplique a regra de 3 e você descobrirá.

Se você não lembra como fazer regra de 3, COMENTA AQUI EMBAIXO ou me manda um email que te mando a planilha prontinha pra calcular, ok?

7) Em quanto tempo vou ter o retorno do investimento?

Claro que isso vai depender das suas vendas. Mas você pode ter uma boa ideia a partir de um exercício de projeção das suas vendas – e das suas despesas. Na dica 2 explicamos como fazer essa projeção.

Mas e daí, em quanto tempo terei retorno do investimento? Bem, descubra primeiro seu investimento inicial (dica 5). Depois, lá nas suas projeções financeiras, crie uma lista somando o lucro acumulado que você teve, mês a mês. Quando o valor somado dos seus lucros for igual a quanto você investiu – voilà! Você terá tido o retorno do seu investimento!

Claro que isso é uma simplificação. Podemos sofisticar a conta e incluir taxas de juros, inflação, etc. Mas essa simplificação já dará uma noção para ajudar na sua tomada de decisão.

8) Quais rotinas financeiras devo ter todos os dias?

Todos os dias você deve lançar nos seus controles todas as despesas que você teve; pagar contas e fazer a conciliação bancária – ou seja, ver se o seu extrato no banco está batendo com o extrato nos seus controles financeiros. Sim, eu sei que é chato. Mas faz assim: chega de manhã cedo e mata isso. Pronto, fez, ta feito, em 10 minutos fez tudo, agora só amanhã. Juro que é rapidinho.

Com o tempo, você pode ir colocando as contas em débito automático e se organizando pra pagar todas as contas da semana em um dia só, tipo na segunda-feira. Vai ficando mais fácil.

9) E todas as semanas?

Aqui você está com as mãos no leme da sua gestão financeira. É hora de manejar seu caixa. Olhar como foi a semana anterior (a receita foi como você tinha imaginado? E as despesas?) e para as previsões das semanas seguintes (tem despesas que não estavam previstas? Você tem dinheiro pra pagar tudo o que tem pra cair?). A partir das suas análises, claro que você deve tomar medidas. Investir sobras de caixa, renegociar com fornecedores, fazer o que for necessário pra manter seu caixa saudável.

10) E todos os meses?

Se a palavra de ordem da semana é caixa (ou seja, se você tem dinheiro pra pagar as contas), a do mês é lucratividade (ou seja, se seu negócio está dando resultado). Isso é uma regra do mercado? Não, mas é assim que a gente faz as coisas por aqui. A gente fica de olho no caixa muito de perto (porque é o caixa que mata um negócio), mas a gente não perde de vista o resultado.

Como fechou o mês? Quais as previsões para o próximo? Dá pra reduzir algum custo? Seus preços estão adequados? As vendas estão pagando suas despesas?

Olha só, isso é muito sério: se você não estiver tendo lucro, você precisa fazer algo a respeito, senão seu negócio vai morrer. Simples assim. Ou cortar custos, ou vender mais. Ou, de preferência, ambos.

Esse é seu papel como empreendedora.

11) E todos os anos?

Chegou a hora de olhar seu negócio de cima. Como está a saúde financeira do negócio? Está dando lucro? Foi um ano bom? Você vendeu o que tinha previsto?

Olha o planejamento do ano anterior, seu previstoXrealizado, e faça o planejamento do próximo ano. O ideal aqui é que você defina 3 metas para seu negócio. Uma metas de lucro a cada mês; uma meta de caixa; e – tcharaaaaaaam – uma meta de reserva financeira (ou seja, quanto você irá guardar de reserva pra períodos de baixas vendas).

12) Quais indicadores devo olhar?

Em primeiro lugar: faça o dever de casa direitinho. Lance suas despesas, use os softwares acessíveis que temos hoje disponíveis (como o ZeroPaper e o Conta Azul), e acompanhe os relatórios que os próprios softwares disponibilizam.

Quanto você está vendendo? Quanto você está gastando? Qual é o seu lucro (ou prejuízo) mensal? E quanto está sobrando (ou faltando) no caixa todos os meses? Olhe o realizado e também suas previsões. Se você realmente souber de verdade esses números, você já terá um belo ponto de partida para sua gestão financeira.

_ _ _ _ _

E aí, gostou das dicas? Muito complicado? De boa? Me conta aqui embaixo 😉

Finanças descomplicadas: 12 dicas matadoras

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.